quinta-feira, março 11, 2010


ESTÔMAGO E MENTE ou COMO SE CONSTROEM AS HISTÓRIAS


3ª feira - Os do costume.

5ª feira - Desenhava-se um almoço de mulheres. A expectativa agitava o riso fácil e afinava-se a malícia para a troca de impressões à roda dos temas que o clã autoriza. No servir dos pratos os homens faltaram à palavra e apareceram. Dois.


Saboreando o passado e o presente cruzaram-se e digeriram-se os ingredientes das histórias:
  • Peripécias de contrabando nos anos 80. A estratégia que ilude o proibido. Atravessaram a fronteira duas tendas de campismo e uma espingarda para a caça. A arma, em peças, trazia a cronha e a culatra colada sob o banco do carro e os canos, esses, entraram em Portugal entre os seios de uma mãe de família.

  • Como um toyota corolla comprado em, pensa-se, segunda mão e aplaudido como em muito bom estado, rumava, com toda a família para o Algarve, perdendo o óleo. De quando em vez era obrigatória a paragem para repor o dito. Esta, entre muitas outras façanhas da viatura, valeram-lhe o nome de 'O Pássaro Branco'.

  • Devida ênfase para um 'turning point' na vida de uns Olhos Verdes. Alforriada pela justiça do divórcio, despiu a condição de 'ferramenta animada' do sacrossanto lar e... renasceu em estrela. Brilha através da paixão debruçada nos olhos, da natureza solta da alegria maliciosa, do entusiasmo da cor que exibe, triunfante e atrevida, nas unhas, no cabelo e sobretudo no verbo.

  • Um ponto muito alto foi o momento do Segredo da Alcina - que não se pode contar! É um SEGREDO!

Sem comentários:

Enviar um comentário